Tradição X Renovação

15/05/2015 20:12

                                                                                                                                                Um tema que causa muita polêmica é a escolha do enredo. Cada agremiação possui um perfil ou estilo de carnaval que combina mais com a sua comunidade, facilitando o desenvolvimento do carnaval e quem sabe favorecendo-a para a conquista do título de campeã. Porém as mudanças são necessárias para que cada escola encontre uma maneira de apresentar um enredo diferenciado, podendo assim se destacar das demais concorrentes ao título.

 Para o carnaval de 2016, já temos a primeira agremiação que anda sendo o alvo desse tipo de discussão, a nossa querida Nenê de Vila Matilde. Eis um bom exemplo para refletirmos sobre este assunto, pois Nenê de Vila Matilde é uma agremiação que possui uma tradição e história no carnaval paulistano que deve ser respeitado por todos sambistas, e que nos últimos anos vem buscando o caminho para retornar ao G5 (as cinco primeiras colocadas) do carnaval paulistano.

Em 2015, a nação matildense apostou em um enredo sobre Moçambique, fazendo um belíssimo carnaval com um samba enredo memorável. A escola optou por levar para a avenida um tema afro que normalmente favorece a agremiação em todo processo de criação e desenvolvimento do desfile. Já para 2016, foi anunciado através da assessoria de impressa da agremiação que o enredo será “Nenê apresenta seu musical: Rainha Raia nas Asas do Carnaval”, no qual a escola vai homenagear a atriz, bailarina e produtora Claudia Raia, comemorando os trinta anos da carreira da atriz, fazendo uma viagem pelos musicais encenados por ela.

 Após o anuncio do título de enredo, começou o festival de "especialistas" de carnaval, se lamentando, repugnando a escolha da escola, onde a alguns diziam que este enredo não tem "cara" de Nenê dentre outras razões. Aproveitando esta oportunidade vamos refletir sobre este assunto. A questão é a seguinte, se a escola tem facilidade de desenvolver bons carnavais com a temática afro, isso significa que ela só pode fazer carnavais com temas afro?

Bom, particularmente acredito que sair da zona de conforto é o melhor caminho para a escola se renovar a cada carnaval. Trazer temas que a mesma possui facilidade para desenvolver de forma esporádica é sempre bom para potencializar a força da sua comunidade, agora tornar esses temas uma regra para fazer bom desfile, é comodismo. Boa parte dos sambistas aguardam um novo espetáculo a cada ano e enchem os olhos do publico, as agremiações que buscam se renovar a cada carnaval, sendo na escolha do tema, na melodia do samba de enredo, na plástica das alegorias, na coreografia da comissão de frente, dentre outras novidades ou renovações.

Claro que há uma "formula" que normalmente é assertiva, a qual dizemos: Bom Enredo = Bom Samba = Bom Desfile. No entanto isso não pode virar regra. Há vários fatores que influenciam a realização de um bom desfile, mesmo que o enredo não seja supostamente favorável a um bom samba enredo ou que facilite na parte da criação plástica e visual do desfile.

 Partindo desses princípios acima, tirar conclusões sem ao menos a sinopse do enredo ter sido divulgada ou termos chegado na fase de escolha do samba de enredo, realmente é "sofrer" por antecipação. Aguardar a proposta de desfile da escola é um bom caminho, depois vem várias fase do processo de desenvolvimento do projeto carnavalesco o qual nos leva superficialmente a uma determinada conclusão se o desfile vai funcionar ou não, mas de fato esta resposta só vem após os portões da dispersão se fecharem.

Sendo assim, "especialistas" de plantão, vamos acalmar os ânimos e aguardar os próximos capítulos, não apenas do enredo da nossa querida Nenê, mas de todas as outras escolas paulistanas! Temos muito o que discutir e refletir até o desfile.O carnaval paulistano cresceu consideravelmente na ultima década, tendo hoje agremiações que levam desfiles para avenida cada vez mais competitivos sendo disputados nos mínimos detalhes.No entanto, não são todos os sambistas que estão preparados para essa evolução que ocorre de maneira muito  dinâmica. As vezes os sambistas mais tradicionalistas se opõem a algumas novidades e maneiras diferenciadas que suas agremiações propõem para colocar seu carnaval na avenida.                                                                                                                                                                                                                                             Matéria: Paulo Henrique Oliveira   Editor/Chefe: Anderson Lopes Diretor Geral: Edinho Meirelys   Jornalista Responsável: Flavia Andrade

Newsletter

Assine a nossa newsletter:

Contato

Agência de Notícia Samba Conexão News e Produções Artísticas CNPJ: 12.256.232/0001-94 Rio de janeiro - Capital

Jornalista Responsável:
Redação: (21) 2082-2861
(11) 95926-3076 (21) 96836-4270
redacao@sambaconexaonews.com.br